terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Alimentos que Melhoram a Ereção

Uma boa ereção depende de muitos fatores que vão além da excitação. Ela tem a ver com aspectos importantes como uma irrigação sanguínea correta, uma boa disposição emocional para o sexo, baixos níveis de estresse e ansiedade e, é claro, uma alimentação adequada. Ainda que não saiba, uma má alimentação pode afetar de forma importante seus encontros sexuais, por isso fizemos uma lista de alimentos que melhoram a ereção e favorecem os encontros mais potentes e prazerosos.

  1. As nozes estão cheias de benefícios, sendo um dos alimentos que melhoram a ereção devido ao seu conteúdo de azeites e gorduras saudáveis. Um punhado de nozes beneficia a circulação sanguínea e melhora a elasticidade das artérias, permitindo que o fluxo sanguíneo chegue melhor ao seu pênis durante a ereção.

  2. chocolate amargo, além de ser uma sobremesa deliciosa e sensual também é uma excelente alternativa para conseguir uma boa ereção. Isso acontece porque ele possui zinco que favorece a produção de testosterona melhorando a ereção; além disso é um bom alimento para o coração e para melhorar nosso estado de ânimo.

  3. Os mirtilos são um ótimo antioxidante natural, e além de ser deliciosos aparecem também na lista dos alimentos que melhoram a ereção. Entre seus benefícios encontra-se a capacidade de ajudar a relaxar os vasos sanguíneos e a melhorar a circulação, fazendo que o fluxo sanguíneo chegue de forma mais eficiente a todos os órgãos, incluindo o pênis.

  4. As ostras são consideradas um alimento afrodisíaco, e apesar de muitos considerarem isso um mito, seu efeito sobre as ereções explica-se pelo seu conteúdo de zinco. Nestes alimentos poderá encontrar até 100% da dose diária recomendada deste mineral, e isso influencia positivamente na produção de testosterona.

  5. O alho, um ingrediente usado de forma quotidiana na cozinha, apesar de não ser o melhor para deixar o hálito fresco é uma excelente alternativa para melhorar a ereção, pois favorece a circulação, aumenta a produção de ácido nítrico e relaxa os vasos sanguíneos. Tudo isto é expressado depois em ereções mais potentes e duradouras.

  6. salmão e os alimentos ricos em ômega 3 são excelentes para melhorar a ereção. Eles favorecem a produção de óxido nítrico, ajudam na saúde cardiovascular e permitem uma boa circulação, elementos necessários para uma correta ereção.

  7. Para além dos alimentos listados até agora, também a melancia pode ajudar a melhorar a ereção. A melancia funciona como um "viagra natural", além de todos os benefícios que oferece à nossa saúde. O seu alto conteúdo em citrulina, faz da melancia uma ótima fruta para ajudar a melhorar a recuperação celular e vascular da região peniana. A quantidade de melancia que tem de ingerir para verificar resultados ainda não está determinado. No entanto, nada perde em consumir esta fruta na sua forma natural ou em suco e beneficiar-se de todas as suas outros propriedades para a saúde.
Fonte: UmComo


segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

A História da Ereção - Parte Final

A primeira parte do século XX: Caminhos Errôneos

Em 1933, William Henry Howell (1860-1945) da Universidade Johns Hopkins tinha registrado antecipadamente uma surpreendente hipótese moderna sobre a fisiologia da ereção peniana [33]. Ele escreveu que "tumescência ocorreu enquanto a dilatação de pequenas artérias e arteríolas causou a CC distensão com sangue sob alta pressão limitada pela túnica albuginea. E a ereção completa exigia oclusão parcial do fluxo venoso, provavelmente pela compressão das veias aferentes pelos músculos isquio-bulbocavernosos e, em certa medida, pela musculatura intrínseca das paredes dos vasos. "Nessa época, muitos outros fisiologistas eminentes duvidavam do papel de Esses músculos ou sugeriu que as contrações dos músculos isquiocavernosos só tiveram um papel menor na produção de uma ereção completa [34]. Havia outras pistas erradas. Em 1900, o anatomista e historólogo austríaco Anton Gilbert Victor von Ebner (1842-1925) descobriu o que ele chamou de "almofadas", composto por colunas de células musculares lisas dentro da íntima das artérias até o pênis. Essas protrusões intravasculares já haviam sido descritas por Ercolani em 1869 e, no passado distante, por anatomistas da famosa escola de Pádua [36]. Von Ebner concluiu que essas "almofadas" permitiram que as artérias por si próprias regular o fluxo sanguíneo para o pênis: "A abertura permitiu o sangue entrar nos corpos e fechar mais tarde para prender o sangue, causando assim uma ereção". Esta teoria foi generalizada Sabedoria até 1952, quando foi atualizado pelo urologista italiano Giuseppe Conti [37, 38]. Ele postulou que a ereção era causada por três mecanismos: a derivação do sangue arterial para os corpos, a diminuição do fluxo sanguíneo para o pênis pela contração das chamadas "almofadas" nas pequenas artérias e, o aprisionamento do sangue nos corpos por "Almofadas" nas veias eferentes. Conti concluiu que estas eram as válvulas de desligamento misteriosas que os fisiologistas estavam procurando há tanto tempo. O sangue entrou no pênis, os corpos se expandiram e as "almofadas" fora da túnica fecharam, resultando em uma ereção. Era tão simples assim. No entanto, muitos anos depois, determinou-se que as "almofadas" de Von Ebner e as "almofadas" de Conti eram detritos ateroscleróticos, muito parecido com o encontrado nas artérias coronárias 39.

Entretanto, Deysach discutiu a validade dos achados de animais para a fisiologia humana [40]. Ele alegou mecanismos dissimilares em dois grandes grupos de animais: "(i) Aqueles com um pênis longo como o cão, em quem a ereção era "arterial"enquanto poderia ser induzida no animal morto por perfusão da aorta, e (ii) Aqueles sem um pénis longo como o humano onde havia uma ereção "venosa". Neste grupo ele acreditava que o sangue estava preso no CC pelo fechamento ativo de "esclusas" entre seus espaços venosos e as veias penianas profundas. Baseou esta teoria em observações feitas durante a injeção de tinta de índia e cinabrio cinza em vasos de cães, cervos, alces e macacos. Em retrospecto, essas "esclusas" eram muito provavelmente as aberturas do plexo venoso subtunical. Mais de cem anos antes, John Houston, da Irlanda, havia sugerido que em cães a veia dorsal profunda poderia ser restringida pelo chamado músculo isquio-uretral [41]. Em 1964, Herbert Newman e colegas de trabalho ainda tinham sérias dúvidas quanto à necessidade de oclusão venosa para a ereção [42]. Eles simplesmente argumentaram que durante a ereção normal, o pênis não se tornou cianótica enquanto que a restrição experimental de seu retorno venoso por um inflado braçadeira de pressão arterial pediátrica na base do pênis produziu cianose e edema sem ereção. Apesar deste raciocínio incorreto, seu estudo se tornaria a origem da cavernosometria, uma técnica para estudar o mecanismo de fechamento venoso durante a ereção [43].

Conclusões

Que um sistema neurovascular intacto e relaxamento muscular suave no CC são importantes para a ereção é senso comum no século 21, mas deve-se perceber que a compreensão atual de sua fisiologia passou por um longo processo evolutivo. Na Antiguidade, acreditava-se que os espíritos vitais induziam erecções e que o pênis erguido estava cheio de ar. Cientistas europeus medievais ficaram corrompidos na idéia de que o ar sob pressão produzia rigidez peniana. Graças a Da Vinci, Varolio e De Graaf e uma série de eminentes fisiologistas europeus experimentais nos séculos XVIII e XIX, sabemos agora que uma ereção é produzida por uma onda de sangue sob controle nervoso.

A grande descoberta do século XX ocorreu exatamente como no século 19 com o desenvolvimento de modelos animais experimentais nos quais a ereção poderia ser iniciada e sustentada pela estimulação dos nervos cavernosos. As experiências de Virag e Brindley no início dos anos 80 do século XX confirmaram o que os fisiologistas como Albert von Kölliker, no século XIX, já haviam levantado a hipótese: a importância das células musculares lisas no CC [25, 45, 46]. No entanto, a própria existência de relaxamento e contração do músculo liso no CC permaneceu controversa até o primeiro Congresso Mundial sobre Impotência em 1984 em Paris [47].

Fonte e colaboração: Mels F. van Driel, MD, PhD <http://www.smoa.jsexmed.org/article/S2050-1161(16)30013-7/fulltext>

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Homenagem ao Professor Dr. Carlos Abib Cury pela visão contemporânea da necessidade social.

No campo da genitália externa masculina, é preciso valorizar o Urologista.

Urge renovar a cultura urológica. Por exemplo, encontrar novos termos, mais agradáveis, em substituição a “fimose”, “escroto”, “saco escrotal”, que soam mal ao ouvido, são desvalorizados e assustam os pacientes e suas parcerias.

Nesse novo olhar, as cirurgias da genitália masculina deverão ser apresentadas como cirurgias íntimas, assim como na ginecologia.

Expressões como “rejuvenescimento peniano”, “cirurgia plástica do pênis”, “harmonização da genitália masculina”, “reconstrução peniana”, “estética peniana” e da genitália masculina devem entrar no vocabulário urológico, só assim poderemos valorizar os procedimentos que já executamos, mas que nós mesmos, os desvalorizamos.

Dr. Carlos Abib Cury




Carlos Abib Cury: Chefe da Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – FAMERP; Presidente da Comissão de Cirurgia Estética eTransgêneros da Sociedade Brasileira de Urologia; Responsável pelo Serviço de Transgenitalização do Hospital de Base da FAMERP; Fellow em Urologia da Miami University, USA. São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil.


A História da Ereção - Parte 3: Victor Vecki

Século XIX

No final do século XIX, o médico austríaco Victor Vecki von Gyurkovechky (1857-1938) escreveu uma monografia sobre o que chamou de Pathologie und Therapie der Männlichen Impotenz [23]. O capítulo III da tradução inglesa resume o conhecimento científico sobre a fisiologia do ato sexual, incluindo o discurso sobre a ereção peniana [24]:

Estes espaços vazios pequenos dos três corpos são revestidos com endotélio que se assemelha ao das veias, e são, consequentemente, espaços venosos. Numerosos emissários mantêm todos os corpos em comunicação uns com os outros e se abrem para dentro da vena dorsal e do pênis da vena profunda. Na base do pênis estão as arteríase helicinae, que são enroladas na forma de um chifre de carneiro, de modo que elas podem ceder às mudanças de volume no tecido erétil. Está agora claramente demonstrado que a ereção é causada pelo enchimento desses espaços com sangue, mas todo o processo de ereção está longe de ser explicado.

Além disso, ele se referiu entre outros à pesquisa sobre este tema por cientistas europeus famosos como Albert von Kölliker (1817-1905) da Suíça, Carl Langer (1819-1887) da Áustria, Conrad Eckhard (1822-1905) da Alemanha, Charles Marie Benjamin Rouget (1824-1904) da França, Friedrich Leopold Goltz (1834-1902) da Alemanha e Otto Christian Lovén (1835-1904) da Suécia [25, 26, 27, 28, 29, 30]. Todos eles eram inteiramente homens de laboratório e seu trabalho científico se sentia no contexto da transformação geral que a medicina sofreu no século XIX: uma mentalidade que enfatizava a experimentação determinava uma nova direção, a saber, "fisiologia experimental". Falta de laboratórios e comunidades Dos cientistas essenciais para grande parte do trabalho em ciências básicas, os Estados Unidos não contribuíram nada para a fisiologia do pênis naqueles dias.

Em 1889, Vecki qualificou os resultados dos citados cientistas europeus como "altamente meritórios", mas o mecanismo de ereção ainda tinha seu mistério. Ou os músculos externos transversalmente listrados do pênis ou os músculos lisos internos exerciam pressão sobre as veias eferentes, de modo que sem dúvida os investigadores do século XIX estavam bem cientes da hipótese de Galen de que a parada venosa era importante para a ereção. Em 1862, Langer de Viena teorizou que a contração intrínseca das veias no plexo de Santorini poderia induzir ereção [26]. No entanto, com base em seus estudos histológicos, Von Kölliker (Figura 3) já havia concluído em 1852 que os CC eram capazes de relaxamento ativo e contração [25]. O fato de que o calor causou dilatação e frio uma contração do pênis falou com alguma força para a influência dos músculos lisos. Von Kölliker concluiu que a detumescência foi provavelmente devido à contração muscular lisa dentro dos corpos. Oposta à sua opinião era a teoria de que os músculos lisos do tecido esponjoso não possuíam suficiente força e energia suficientes para influenciar a ereção a tal ponto. Em seu livro, Vecki também discutiu como o influxo arterial poderia aumentar. Ele sugeriu que a aceleração da ação do coração na excitação sexual poderia ter apenas uma influência muito pequena (p.54). No entanto, o principal ponto de discussão era se a excitação sexual tinha uma "influência paralisante nos músculos das paredes do pênis ou um efeito revigorante que faz com que as contrações se tornassem mais freqüentes e as artérias bombardem, por assim dizer, uma quantidade maior De sangue nos espaços do pênis em forma de malha ".


Albert von Kölliker (1817–1905)
Com relação ao controle nervoso, Goltz compartilhou a opinião dos fisiologistas que comparavam a conexão dos nervos erigentes com o pênis com a do nervo vago com o coração [29]. Ele afirmou que o progresso do fluxo sanguíneo para o pênis foi consideravelmente dificultado durante o tempo de descanso fisiológico, enquanto as pequenas artérias penianas e outros espaços vasculares estavam em estado de contração moderada. Este estado foi mantido pela ação de gânglios cuja presença tinha sido provada por Lovén [30]. No final de sua revisão, Vecki cita a obra de Goltz e enfatiza a importância do cérebro:

A experiência nos ensina que a ereção pode ser causada ou verificada por diferentes impressões das mais variadas partes do corpo. É certo, entretanto, que o cérebro é o lugar de origem das sensações de excitação sexual. Com este centro superior está ligado, por canais nervosos intercentrais, um centro reflexo mecânico inferior, que tem o seu assento na região lombar da corda, e regula a realização do acto de cópula.

Em seu artigo clássico de 1863 sobre estudos neurofisiológicos em cães, Eckhard relatou que durante a fase de tumescência, causada pela estimulação neural, a efluência do sangue do tecido erétil engorgado e da veia dorsal foi cerca de 8-15 vezes maior do que no estado flácido [27]. Após uma incisão transversal de um pênis ereto, ele verificou que o sangue efluente nunca foi apenas de origem venosa e, portanto, a erecção não foi meramente o resultado de congestão venosa, como se pensava anteriormente. Ele também descobriu que o pênis erguido continha oito vezes mais sangue do que em seu estado flácido. Lovén apoiou seus resultados ao achar que, quando os nervi erigentes foram estimulados, as arteríolas do tecido esponjoso cavernoso dilataram-se e o influxo arterial aumentou acentuadamente [30]. No final de todas as suas experiências, Eckhard estava realmente convencido de que a vasodilatação causada pelos nervos erigentes aumentava o fluxo de sangue para dentro do pênis e deduzia que a pressão na parede das artérias penianas durante a fase inicial da ereção tinha de diminuir [31].

No final do século XIX contribuições mais detalhadas sobre a fisiologia da ereção foram feitas por John Newport Langley (1852-1925) e Hugh Kerr Anderson (1865-1928) da Inglaterra [32]. Sem dúvida, todos os conceitos acima mencionados derivados de estudos com animais no século de fisiologia experimental contribuíram significativamente para a compreensão atual da ereção.

Fonte e colaborador: Mels F. van Driel, MD, PhD <http://www.smoa.jsexmed.org/article/S2050-1161(16)30013-7/fulltext>

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A História da Ereção - Parte 2: Leonardo da Vinci

Século XV-XVIII

Uma das primeiras pessoas a estudar o pênis completamente foi Leonardo da Vinci (1452-1519) [9, 10, 11, 12]. Este homem brilhante opôs-se à noção de que uma ereção surgiu como resultado da acumulação de ar. Sua argumentação se baseava em aspectos físicos:

Isso seria uma grande quantidade de ar, o que aumenta e alonga o pênis e o torna tão denso como a madeira, de modo que a grande quantidade de ar nos nervos não seria suficiente para reduzir a tal densidade; Não só o ar dos nervos, mas se o corpo estava cheio com ele, não seria suficiente [9].

Da Vinci só acreditava no que via com seus próprios olhos. Em 1477 assistiu a uma suspensão pública, e na dissecação posterior deste corpo por anatomistas, uma prática permitida duas vezes por ano pelas autoridades florentinas sobre criminosos mortos, ele viu o que realmente encheu o pênis:

Eu vi... homens mortos que têm o membro erguido, pois muitos morrem assim, especialmente aqueles enforcados. Destes [pênis] eu vi a anatomia, todos eles tendo grande densidade e dureza, e sendo bastante preenchido por uma grande quantidade de sangue. ... Se um adversário diz que o vento causou essa dilatação e dureza, como numa bola com a qual se joga, digo que tal vento não dá nem peso nem densidade. ... Além disso, vê-se que um pênis ereto tem uma glande vermelha, que é o sinal do influxo de sangue; E quando não está ereto, esta glande tem uma superfície esbranquiçada "[9].

Em 1573, Ambroise Paré (1510-1590), médico pessoal de quatro reis franceses consecutivos e muitas vezes chamado de "pai da cirurgia moderna", chegou à mesma conclusão em um de seus tratados [13]. O que Paré não sabia era que Da Vinci, um médico amador, já havia escrito um século antes. Por volta de 1503, Da Vinci foi silenciosamente dado acesso a cadáveres não reclamados em um hospital florentino. Ele pedira porque estava convencido de que a única maneira de realmente conhecer o corpo humano inteiro era desmontá-lo e examinar as peças. Ele fez um estudo completo do corpo de um velho, o "centenário" e de uma criança de 2 anos, mais ou menos na mesma época [10]. Parece provável que ele também dissecou um segundo homem idoso, um macho mais jovem e um feto humano de cerca de sete meses pós-concepção, mas outras dissecções eram de partes de corpos humanos.

Da Vinci chegou perto de seus objetivos, mas mesmo homens brilhantes cometem erros. O conhecimento anatômico demonstrado em suas observações é cheio de imperfeições. Seus desenhos abrangem os anos entre 1487 e 1513, mas só na segunda metade deste período de 25 anos ele ganhou conhecimento detalhado através de dissecções. Inicialmente, ele precisava coletar suas informações dos livros. Entretanto, traduções diretas dos textos gregos originais para o latim ou outras línguas européias ficaram disponíveis a partir de 1525, seis anos após a morte de Da Vinci. Além disso, Da Vinci não estava familiarizado com o latim ou grego. Provavelmente, o livro mais importante para Da Vinci foi uma edição italiana do Fasciculo de Medicina de Johannes de Ketham publicado em 1493. Este livro incluiu uma tradução completa de Anathomia, que já foi escrito em 1316 por Mondino di Luzzi, latinized como Mundinus (c. 1270-1326) [10, 11]. Mundinus trabalhou em Bolonha, na Itália, e foi um dos primeiros anatomistas medievais a realizar dissecções.

A publicação de Mundinus era típica dos livros médicos do século XV enquanto era essencialmente uma reedição não controlada de antigos manuscritos anatômicos. Sua informação foi baseada em escritos árabes, que foram traduzidos do árabe para o latim em cerca de 1150. O mais famoso desses escritores foi Avicena que, por sua vez, tinha derivado suas informações de traduções de Galeno e textos pré-galênicos gregos para o árabe. Na verdade, a versão de Ketham de Mundinus não era nada mais do que um resumo do conhecimento grego antigo filtrado através de três traduções principais, do grego ao árabe, do árabe ao latim e do latim ao italiano. Assim, ao ler Fasciculo di Medicina, Leonardo obteve acesso às idéias de Hipócrates, Aristóteles e Galeno misturadas com vistas posteriores de Avicena e Mundinus.

Seu desenho dos genitais masculinos, por exemplo, mostra que ele estava nublado por Aristóteles, bem como Galeno. O pênis demonstra dois canais, um para a urina e outro para a semente, sendo o último conectado à medula espinhal (Figura 1). Na escrita grega antiga, a semente foi derivada do espírito, que foi produzido a partir do sangue na base dos cérebros e transferido para todas as partes do corpo através dos nervos, e Aristóteles ensinou que os testículos não desempenhou nenhum papel na procriação, além de fornecer Saliva como humor para lubrificar a vagina para a relação sexual. Leonardo desenhou um grande vaso sanguíneo que passava do coração para o testículo, numa tentativa de incluir a visão de Galeno de que os testículos fabricavam espermatozóides do sangue, então ele tentou misturar teorias galênicas e aristotélicas. Para seus desenhos posteriores, Da Vinci também usou dissecções de animais como modelos, por exemplo, bois. Isso o desviou: esqueceu-se de tirar a próstata enquanto estes animais têm um atrofiado. Por outro lado, Leonardo foi o primeiro a ilustrar as vesículas seminais ea posição dos orifícios dos dutos ejaculatórios [9, 11].

Figure 1

The penis as drawn by Leonardo da Vinci; c.1492–1494. The penis demonstrates two canals, one for urine and one for seed, detail of “The Copulation,” “Royal Collection Trust/© Her Majesty Queen Elizabeth II 2015.”
Trabalhando em Pádua, o médico belga Andreas Vesalius (1514-1564) publicou em 1543 seu De Humani Corporis Fabrica Libri Septem (Sete livros sobre o tecido do corpo humano) [14]. Tornou-se famoso para suas ilustrações detalhadas e belamente esboçadas. Vesalius realmente abriu novos caminhos na qualidade de suas observações e corrigiu mais de 200 erros cometidos por Galen, mas também duplicou alguns, por exemplo, a descrição da vagina como um pênis invertido. Sua descrição da função do pênis era bastante curta: "A isso foi conferido um poder tão grande de deleite no ato generativo que os homens são incitados por este poder e se são ou não jovens e tolos ou destituídos de razão, Eles caem na tarefa de propagar [como se] fossem os mais sábios do ser "[11, p. 67]. Segundo a historiadora de arte Patricia Simons, Vesalius contou visualmente a história do pênis como uma parte do corpo que estava fora por causa do calor masculino inatamente poderoso [15] (Figura 2).

Figure 2

Andreas Vesalius, male organs of generation, Fabrica, Basel: Johannes Oporinus, 1555, Book V, figure 23, p. 374.
By courtesy of “Erfgoedbibliotheek Hendrik Conscience, Antwerpen,” cat.nr. J 5833.
Ela argumenta que a Fabrica mostra um eixo do pênis que imita a ereção "na medida em que foi esticada e mostrada alongada de acordo com a observação de Galen. A divisão de carne espalmada de cada lado na área mais próxima do corpo na vista frontal é sugestiva para o movimento para a frente, uma impressão reforçada pela ponta triangular ou cone cônico da glande. "Como historiador de arte, Simons está convencido de que este Figura era a abertura para o pênis como um "aerodinâmico aerodinâmico míssil como a cabeça de uma flecha, lança ou dardo em que a carne fatiada e dividida se assemelha a asas ou penas fletched para ajudar na entrega rápida e segura.

Constanzo Varolio (1543-1575) da Itália estudou a fisiologia da ereção várias décadas após Leonardo da Vinci. Por causa de sua morte adiantada, seu trabalho foi publicado póstumo em Francoforte em 1591 [16]. De acordo com Sergio Musitelli, alguns historiadores escreveram incorretamente que Varolio supôs que a contração dos músculos ischio- e bulbocavernosos impediu o refluxo venoso [17]. Com base em sua ignorância sobre a circulação sanguínea, isso parece ser um absurdo. Varolio aderiu à idéia que o sangue fluiu através das veias e do espírito através das artérias.

Reinier de Graaf (1641-1673) dos Países Baixos, que como Varolio morreu em uma idade muito jovem, inventou um tipo de seringa com que realizou muitos tipos diferentes de pesquisa sobre cadáveres. Quando ele injetou água na artéria hipogástrica, viu em seu espanto o tecido erétil no pênis enchendo-se, confirmando mais ou menos as conclusões de Varolio. Muito à frente dos colegas, ele declarou que o evento-chave na ereção não estava recebendo sangue no pênis, mas mantendo-o lá [18, 19]. Em 1668, De Graaf completou seu estudo dos órgãos sexuais masculinos. Como alguns pesquisadores de hoje, ele estava bem ciente de que o órgão sexual masculino era um assunto complicado, uma vez que "pessoas desrespeitosas e lascivas tentariam usar indevidamente o que publiquei por imagens sem graça e piadas". Sua defesa era que ele apresentara sua descoberta em Tão decente quanto possível, de modo que "ninguém pode tomar a menor ofensa, a menos que eles estão determinados a fazê-lo" [20]. De Graaf examinou o pênis como uma ferramenta bem projetada. Ele notou a ausência de gordura sob a pele e como essa pele era mais fina, solta e mais elástica do que qualquer outro remendo da pele do corpo humano, fatores que permitiram que o pênis se tornasse maior e rígido. Felizmente, seu trabalho não morreu com ele, enquanto outro holandês, Frederik Ruysch (1638-1731), usando as seringas inventadas por De Graaf em combinação com seus fluidos de injeção secretos auto-feitos, tornou-se capaz de fabricar moldes de cera Do membro macho [21]. Com um rigor nunca mostrado, estas réplicas do pênis com todas as suas artérias, veias e capilares revelou o órgão de expansão e encolhimento de ser uma maravilha de engenharia. No século XVIII, Albrecht von Haller (1708-1777) da Suíça se tornaria o primeiro que explicou a ereção como um aumento do fluxo sanguíneo sob controle do sistema nervoso [22]. Ele recusou-se a aceitar o conceito secular de um fluido atravessando os nervos como a causa da ação nervosa. Focalizou suas observações sobre a própria fibra nervosa, demonstrando claramente que, embora a "irritabilidade" fosse uma propriedade da fibra muscular, outro fator ea sensibilidade eram características dos nervos.

Fonte e colaborador: Mels F. van Driel, MD, PhD <http://www.smoa.jsexmed.org/article/S2050-1161(16)30013-7/fulltext>

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

A História da Ereção - Parte 1: Galeno

Introdução

A fisiologia humana investiga os mecanismos que mantêm nossos corpos vivos e funcionando. O nível principal de foco está no nível de órgãos e sistemas dentro dos sistemas. Entender a fisiologia é um dos pré-requisitos básicos para os médicos praticantes. A este respeito, os mecanismos de ereção do pênis são importantes para todos os que trabalham no campo da medicina sexual.

Hoje, sabemos que a ereção peniana é um complexo processo fisiológico que ocorre através de uma cascata de eventos neurológicos, vasculares e humorais. Esta cascata é iniciada por sinais auditivos, visuais e olfatórios e estímulos locais do pênis. A erecção começa com um aumento do fluxo nas artérias pudendais e dilatação das artérias cavernosas e arteríolas helicine em associação com o relaxamento dos músculos lisos da rede trabecular causando ingurgitamento de sangue nos corpos. Isto leva à compressão das vênulas subtunicais pela túnica albugínea resistente. Este conhecimento é o senso comum no século 21, mas deve-se perceber que a compreensão atual da fisiologia peniana passou por um longo processo evolutivo. O objetivo deste artigo foi resumir e analisar como o conhecimento sobre a fisiologia do pênis se desenvolveu ao longo dos tempos, desde a Antiguidade quando os gregos ensinavam que a ereção era inflação de ar até os anos oitenta do século XX.

Antiguidade e Idade Média

O estudo da fisiologia humana como um campo médico remonta ao tempo de Hipócrates (c.460-c, 370 aC). Seu legado intelectual permeou o pensamento médico ocidental até a Renascença. Ele afirmou que erecções foram gerados pneuma e espíritos vitais fluindo para o pênis. A este respeito, era muito importante um equilíbrio adequado entre os quatro humores, sangue, catarro, bile amarela e bile negra, e os quatro elementos, terra, ar, fogo e água. Hipócrates pensava que os testículos estavam ligados ao pênis por finas cordas, como um sistema de roldanas que poderia facilitar a ereção. Danos a estas cordas, por exemplo, por castração, afetaria profundamente a capacidade eréctil [1]. Como em sua opinião, o sêmen era a fração mais potente de fluidos corporais masculinos Hipócrates também acreditava que ejaculações excessivas poderiam reduzir o funcionamento erétil.

O filósofo grego Aristóteles (384-322 aC) afirmou que a ereção peniana era um "movimento involuntário", que poderia ser causado pela imaginação [2]. Como Hipócrates, ele delineou o conceito fisiológico da necessidade de pneuma e ele teorizou que o peso por trás dos testículos poderia levantar o pênis, então eles agiram como uma espécie de fulcro. Charis Asvestis resumiu brevemente os pensamentos de Aristóteles sobre a fisiologia em um dos capítulos de escritos clássicos sobre a disfunção erétil:

A ereção do pênis humano ocorre através de três mecanismos: 1. Imaginação, 2 umidade, que aumenta nos genitais cujas passagens são cheias de pneuma, e 3. Os testículos, que atuam como um fulcro.

Sem dúvida Galeno de Pérgamo (129-200 / 216) foi o mais famoso dos antigos médicos após Hipócrates. O trabalho de Galeno em uma escola de gladiadores no início de sua carreira lhe deu um amplo acesso a ferimentos corporais em humanos, mas seus tratados médicos foram, na maior parte, baseados na metafísica clássica e na dissecação de animais [4].

Galeno
Ilustração representando Galeno operando um soldado

Para Galeno, a causa primária da ereção era a qualidade específica dos corpos cavernosos (CC). Ele os chamou de "nervos ocos". Eles foram capazes de atrair o pneuma em expansão com a ajuda de partes conectadas, constituídas de artérias, veias e nervos, e além disso o "calor interno" empurrou o pênis para fora do corpo de um homem [ 5]. Muitos relatos de casos curtos podem ser encontrados no trabalho de Galeno. Trinta e três estão lidando com órgãos urológicos ou sintomas, sete especificamente com a fisiologia do priapismo. Em seu tratado Sobre as partes afetadas Galeno deu uma descrição sóbria: "um aumento no comprimento e circunferência da genitália masculina sem desejo sexual e sem o aumento adquirido na saúde que algumas pessoas experimentam na posição reclinada" [6]. Em sua opinião, o priapismo foi conseqüência de uma condição não-natural das artérias que apresentam alargamento patológico dos orifícios arteriais ou na formação de pneuma gásoso nos nervos. De acordo com Foucault, Galen estava mais inclinado a culpar a dilatação das artérias: "Este tipo de doença foi encontrada naqueles que tinham excesso de esperma e que, contrariamente aos seus hábitos habituais, se abstiveram de relações sexuais (a não ser que encontraram um meio de dissipar Numerosas ocupações as quantidades excedentes de seu sangue), ou naqueles que, enquanto praticando o auto-controle, imaginaram prazeres sexuais depois de ver certos cenas ou, como resultado de recordações recorrentes "[6].

Com respeito à medicina árabe, o Avicenna famoso (980-1037) era como Aristotle mais um filósofo do que um médico. Enquanto os médicos árabes não tinham permissão para dissecar os corpos humanos, suas idéias não passavam de resumos do trabalho de Galeno. Obviamente, os exames das passagens que tratam da fisiologia da ereção em seu livro intitulado De Anatomia Testiculorum et Vasorum Spermatis confirmaram as idéias gregas que a ereção ocorreu preenchendo com pneuma [7, 8].

Fonte e colaboradores: Mels F. van DrielMD, PhD <http://www.smoa.jsexmed.org/article/S2050-1161(16)30013-7/fulltext>

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Homens com Disturbio Dismórfico Corporal são mais propensos a ter Disfunção Erétil e menos Satisfação Sexual

Pouco se sabe sobre o funcionamento sexual e comportamento dos homens ansiosos sobre o tamanho do seu pênis e os meios que eles poderiam usar para tentar alterar o tamanho do seu pênis.


O objetivo deste estudo foi comparar o funcionamento e o comportamento sexual em homens com Distúrbio Dismórfico Corporal (BDD em inglês) em relação ao tamanho do pênis e em homens com Ansiedade/Aflição de Pênis Pequeno (SPA em inglês) sem BDD e em um grupo controle de homens que não têm qualquer preocupação.

Método

Uma amostra com 90 homens foi recrutada e dividida em três grupos: BDD (n = 26); SPA (n = 31) e controles (n = 33).

Foi utilizado para isso o Índice de Função Eréctil (IEF), identidade e histórico sexual, além de averiguar se houveram intervenções para alterar o tamanho do pênis.

Resultados

Em comparação com os controles, os homens com BDD tinham reduzida Disfunção Erétil, função orgásmica, satisfação sexual e satisfação geral sobre o IEF. Já os homens com SPA em comparação com os controles tinham reduzida satisfação sexual. Não houve diferenças no desejo sexual, na frequência de relações sexuais ou masturbação em nenhum dos três grupos. Os homens com BDD e SPA foram mais propensos que os controles a tentar alterar a forma ou o tamanho de seu pênis (utilizando por exemplo jelq, bombas de vácuo ou dispositivos de alongamento) com baixo sucesso relatado.

Conclusão

Homens com BDD são mais propensos a ter Disfunção Erétil e menos satisfação com relação sexual, mas mantém sua líbido. Pesquisas adicionais são necessárias para desenvolver e avaliar uma intervenção psicológica para esses homens com medidas de resultado adequadas.

O estudo completo você encontra no site da ISSM (em inglês)


terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Tamanho de Pênis que as Mulheres Preferem

Uma pesquisa feita em conjunto pelas Universidades da Califórnia e do Novo México foi atrás de descobrir o que as mulheres preferem em relação ao pênis do parceiro. 27% das entrevistadas disseram que o tamanho do órgão sexual masculino influenciou na decisão de terminar um relacionamento, sendo que destas, 7% alegaram que o pênis era "muito grande" e 20% disseram que era "muito pequeno".

O estudo também descobriu que as entrevistadas preferem um pênis um pouco maior no caso de uma relação casual, mas não se importam tanto com isso caso estejam em uma relação mais longa.

Para isso, os pesquisadores disponibilizaram 33 modelos de pênis em diferentes tamanhos, feitos de plástico rígido e inodoro, sempre na cor azul para "minimizar questões raciais". No total, 75 mulheres, entre 18 e 65 anos, participaram da atividade.

Tamanho de pênis preferidos pelas mulheres
Modelos plásticos utilizados na pesquisa

Números

Quando questionadas sobre o modelo que representava seu tamanho de pênis preferido em um parceiro de longa data, a resposta média foi de 16cm de comprimento e 12,2cm de circunferência. No entanto, se a ideia fosse uma noite de sexo e nada mais, o pênis plástico médio que as mulheres escolheram era ligeiramente maior: 16,3 cm de comprimento e 12,7 cm de circunferência.

De forma geral, as mulheres escolheram pênis que eram, em média, maiores do que aqueles em oferta. O órgão ereto médio é de 13,1cm de comprimento, e 11,7cm de circunferência, de acordo com uma análise global que envolveu 15 mil homens publicado em 2015. 

Fonte: Uol


Para mais informações sobre o Tamanho do Pênis e Aumento Peniano, visite o site www.aumentopenianodantas.com.br

Estudo completo (em inglês) em Plos One

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Tratamento Não Cirurgico Da Doença De Peyronie (Curvatura Peniana)

Tratamento Não Cirurgico Da Doença De Peyronie

Estudos sugerem um "futuro promissor" para o tratamento não cirúrgico da Doença de Peyronie, de acordo com uma recente revisão no World Journal of Men's Health.

Com base nas diretrizes de 2015 da Associação Americana de Urologia, os autores abordaram várias abordagens de tratamento, incluindo terapias orais e tópicas, injeções intralesionais, tração e tratamento de onda de choque extracorpórea. A pesquisa com células-tronco também foi discutida.

Muitas terapias, como as alternativas à colagenase intralesional clostridium histolyticum (CCh - Xiaflex) ainda precisam de mais estudo, observaram os autores.

"Em geral, a DP continua a ser uma doença desafiadora para tratar, mas a abundância de ensaios e experimentos recentes sugerem um futuro promissor para o tratamento não cirúrgico da DP", escreveram.

Fonte: ISSM

Veja Mais em: Curvatura Peniana

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

"Abordagem Integrada" Traz Benefícios Aos Homens Com Diabetes Tipo 2


Homens com diabetes tipo 2 podem se beneficiar de uma "abordagem integrada de tratamento" para melhor função sexual e menos depressão, relatam pesquisadores italianos.

A disfunção erétil (DE) é especialmente comum em homens diabéticos, mas nem sempre é tratada durante as visitas clínicas.

O estudo, publicado em outubro em PLOS One, foi realizado em duas fases. 493 homens completaram a fase 1 e 450 homens progrediram para a fase 2 cerca de 18 meses depois. A idade média era de 59 anos.

Durante cada fase, os homens completaram o Índice Internacional de Função Erétil (IIEF) e foram avaliados quanto à depressão e baixa testosterona.

Na linha de base (fase 1), 48% dos homens tinham DE. Este número caiu para 42% na fase 2. Trinta e oito por cento dos homens tomaram um fármaco DE entre as duas fases.

As taxas de depressão diminuíram entre a fase 1 ea fase 2. Os níveis de testosterona geralmente melhoraram, assim como os "alvos metabólicos" que incluíam perfis lipídicos.

Os autores pediram maior envolvimento do paciente, aconselhamento personalizado e acompanhamento consistente no tratamento de homens com diabetes.