terça-feira, 24 de outubro de 2017

Gel nasal para restaurar a libido do homem

Utilizar um gel no nariz pode ser uma maneira rápida de aumentar a libido dos homens e combater a impotência, sem causar efeitos colaterais à suas parceiras.


Pesquisadores no Brasil estão testando se o gel, que contém testosterona, pode tratar homens com deficiência hormonal. A teoria é que este hormônio administrado via nasal estará ativo em menos de uma hora.

Até 12,8% dos homens de meia idade no Reino Unido e Europa possuem uma deficiência de testosterona, de acordo com a Associação Européia de Urologia.

Os níveis do hormônio caem de forma constante em homens com uma taxa de menos de 2% ao ano entre 30 e 40 anos. Isso não tende a causar problemas no início, mas uma deficiência de testosterona que se desenvolve mais tarde na vida (hipogonadismo inicial) às vezes pode levar a problemas como baixa libido, impotência, mudanças de humor e irritabilidade, perda de massa muscular e capacidade reduzida de exercício, insônia, ossos fracos e aumento das mamas no homem (ginecomastia).

Um estudo recente da Universidade de Edimburgo sugeriu que ter baixos níveis de testosterona é um fator de risco para o diabetes - independentemente do peso -, pois muda a ação de genes ligados à insulina, um hormônio que controla os níveis de açúcar no sangue.

Homens com deficiência de testosterona, que podem ser diagnosticados com um exame de sangue, podem ser encaminhados para um endocrinologista para o tratamento de reposição de testosterona.

Isto vem na forma de comprimidos, adesivos de pele e cremes. No entanto, embora estes possam ser efetivos, têm suas desvantagens.

O novo gel, chamado Nasotestt, é considerado mais conveniente do que os cremes atuais, que podem se transferir para qualquer coisa que os pacientes toquem (incluindo suas parceiras, onde pode levar a um aumento nos pelos e acne).

Pode funcionar mais rápido, também, devido ao suprimento de sangue denso na cavidade nasal. Os pesquisadores dizem que isso significa que doses mais baixas de testosterona podem ser administradas, evitando os efeitos colaterais associados ao uso de comprimido, tais como mudanças de humor, problemas de pele oleosa e próstata.

Pesquisas anteriores mostraram que a administração de testosterona pelas narinas pode ser efetiva e segura. Um estudo na Universidade da Virgínia, relatado na revista Andrology, revelou que 90% dos pacientes tratados com um gel tinham níveis normais de testosterona no sangue após o uso diário por diferentes períodos de tempo.

O estudo também descobriu que a impotência dos homens diminuiu, seu humor melhorou e a proporção de tecido de gordura corporal caiu ao longo de um a três meses.

Em nova pesquisa gerida pela FBM Farma Industria Farmaceutica no Brasil, 228 homens receberão o gel nasal de testosterona ou um gel placebo, ou um creme de testosterona ou creme de placebo para esfregar os braços diariamente por dois meses.

Os pacientes que usarem o Nasotestt vão bombear uma dose em cada narina três vezes ao dia e massageá-la para que ela possa ser absorvida pela corrente sanguínea.

Comentando o estudo, o professor Raj Persad, urologista consultor da Bristol Urology Associates, diz: "A absorção nasal funciona bem e é menos provável que contamine as parceiras".

"Não só é adequado para o envelhecimento masculino com baixos níveis de testosterona, mas também para uma grande proporção de homens mais jovens que sofreram danos aos testículos após câncer e quimioterapia".

Enquanto isso, as ondas de choque podem efetivamente tratar a impotência, de acordo com um relatório na revista Urology.

Cientistas do Hospital Beijing Jishuitan revisaram os dados de ensaios envolvendo 637 homens tratados com terapia de onda de choque extracorpórea de baixa intensidade para disfunção erétil e descobriram que melhorou significativamente os escores de desempenho. As melhorias duraram pelo menos três meses.

A técnica envolve um dispositivo que libera milhares de ondas de energia e é pensado para ajudar, aumentando o fluxo sanguíneo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário